Reis & Mott

Reis & Mott

Sunday, 25 October 2020 15:08

Phone

Sunday, 25 October 2020 15:01

Patch cords

Saturday, 24 October 2020 20:10

The Telephonist

The Telephonist (A Telefonista) is a theatrical and sound installation involving performance by Simone Reis and sound and new media art by Iain Mott. The work incorporates a modified antique telephone switchboard as a physical and sonorous object of encounter for the performer. This curious object with its patch cords, switches and phone, functions as an interface to acoustic information in flux. It is an extension of the telephonist and a form of intelligence in itself, facilitating calls and connections between people and texts, verbal interventions by the operator and its own surprising electroacoustic manifestations.

The project gratefully acknowledges the technical collaboration of Jim Sosnin and the financial support of the Fundo de Apoio à Cultura (FAC) of the Brazilian Federal District.

Friday, 23 October 2015 12:55

Welcome to Escuta.org!

Escuta.org brings together projects of sound art and performance by Simone Reis and Iain Mott, along with other collaborating artists and technicians including Marc Raszewski, Jim Sosnin, Nelson Maravalhas, students from the department of Artes Cênicas of the University of Brasília (UnB), among others.

To view the individual projects, please see the projects menu above. Projects are divided into five goups: 1) works of sound and/or theatrical installation art by Mott, Reis and others 2) Performance by Simone Reis 3) sound art and music composition by Iain Mott 4) research projects by Iain Mott 5) Teaching projects Reis and Mott at the Unversity of Brasília

Rebeca Guimarães – 14 anos
Instituto de Educação Fênix - INSEF, Ceilandia

Em relação ao cenário, como eu já li o livro de Machado de Assis, o quarto onde se passou o espetáculo é o mesmo de quando li o livro e imaginei o quarto de Jacobina. Uma outra observação foram os quadros: um casal, dois quadros relacionados a Jesus, uma mulher que aparenta ser a tia de Jacobina, e tem uma pintura quase na entrada para demonstrar Jacobina. Havia uma cama com uma boneca, e ao lado o espelho em uma penteadeira. O cenário é muito importante para a nossa imaginação, pois quando entramos podemos pensar em como achamos que deve ser. Em relação aos sons, foi incrível, porque é como se estivéssemos no lugar de Jacobina, que quando estava só, acabou ficando louco, ouvindo vozes de vários lugares. Achei muito interessante o fato de ter várias caixas de sons para ficar mais real essas ideias. As músicas deixaram o ambiente mais dramático e ajudou muito. O interessante é que as vezes a voz da atriz se encaixava com a música ou ao som do mundo, ou seja: pássaros, a boneca dormindo, gotas, entre diversas coisas . Em relação as luzes, ficou bastante legal as luzes coloridas, as vezes destacando os quadros, as vezes apagando e acendendo, ou mesmo tudo escuro, é mais uma maneira de imaginar. Em relação ao próprio espelho, é uma sensação muito estranha e diferente, ao sentarmos, muitas vezes parecia que a atriz era nosso reflexo, e que a sua voz era a nossa própria voz, percebi isso através da maneira que ouvimos. A ideia que se quis passar na minha opinião é que o nosso exterior é diferente do nosso interior, que existem duas almas, como está no papel: "... uma que olha de dentro para fora e outra que olha de fora para dentro"!... é isso!

Juliana Maria – 13 anos
Instituto de Educação Fênix - INSEF, Ceilandia

Bom, o espetáculo foi bem interessante e diferente. Foi além do que eu imaginava. O espaço, a decoração, som, as expressões faciais da atriz e luz, cada detalhe bem colocado, fez com que o espetáculo tivesse uma impressão do que aconteceu no vídeo, estava realmente acontecendo no quarto, pois as vozes e barulhos de fundo fez parecer que tinha alguma pessoa de trás de nós. Mesmo que tenha me dado medo, foi um ótimo espetáculo.

Sunday, 13 September 2015 17:49

Críticas nos Jornais

Segue o PDF abaixo.

Rebeca Guimarães – 14 anos
Instituto de Educação Fênix - INSEF, Ceilandia

Em relação ao cenário, como eu já li o livro de Machado de Assis, o quarto onde se passou o espetáculo é o mesmo de quando li o livro e imaginei o quarto de Jacobina. Uma outra observação foram os quadros: um casal, dois quadros relacionados a Jesus, uma mulher que aparenta ser a tia de Jacobina, e tem uma pintura quase na entrada para demonstrar Jacobina. Havia uma cama com uma boneca, e ao lado o espelho em uma penteadeira. O cenário é muito importante para a nossa imaginação, pois quando entramos podemos pensar em como achamos que deve ser. Em relação aos sons, foi incrível, porque é como se estivéssemos no lugar de Jacobina, que quando estava só, acabou ficando louco, ouvindo vozes de vários lugares. Achei muito interessante o fato de ter várias caixas de sons para ficar mais real essas ideias. As músicas deixaram o ambiente mais dramático e ajudou muito. O interessante é que as vezes a voz da atriz se encaixava com a música ou ao som do mundo, ou seja: pássaros, a boneca dormindo, gotas, entre diversas coisas . Em relação as luzes, ficou bastante legal as luzes coloridas, as vezes destacando os quadros, as vezes apagando e acendendo, ou mesmo tudo escuro, é mais uma maneira de imaginar. Em relação ao próprio espelho, é uma sensação muito estranha e diferente, ao sentarmos, muitas vezes parecia que a atriz era nosso reflexo, e que a sua voz era a nossa própria voz, percebi isso através da maneira que ouvimos. A ideia que se quis passar na minha opinião é que o nosso exterior é diferente do nosso interior, que existem duas almas, como está no papel: "... uma que olha de dentro para fora e outra que olha de fora para dentro"!... é isso!

Juliana Maria – 13 anos
Instituto de Educação Fênix - INSEF, Ceilandia

Bom, o espetáculo foi bem interessante e diferente. Foi além do que eu imaginava. O espaço, a decoração, som, as expressões faciais da atriz e luz, cada detalhe bem colocado, fez com que o espetáculo tivesse uma impressão do que aconteceu no vídeo, estava realmente acontecendo no quarto, pois as vozes e barulhos de fundo fez parecer que tinha alguma pessoa de trás de nós. Mesmo que tenha me dado medo, foi um ótimo espetáculo.

Sunday, 13 September 2015 17:09

O Espelho, inspirada em Machado de Assis

Gladstone Machado de Menezes*, setembro de 2012

O espectador senta-se diante do espelho. Como Jacobina, o narrador do conto de Machado de Assis ele vê, nítido, o quarto refletido no vidro. Ouve: bolhas. Cigarras. Pios de pássaros. Música das estrelas.

Mais nada. A não ser o espaço vazio onde ele deveria se refletir.

As palavras especulação e consideração têm origem comum. Verdade ou mentira?

De acordo com o velho Dicionário dos Símbolos, especular era observar o céu e os movimentos das estrelas com o auxílio de um espelho (speculum). Sidus (estrela, astro) deu considerar, que significa olhar o conjunto das estrelas.

Então: diante do espelho o espectador especula. Para depois considerar. Será ele a silhueta difusa, aquele que não se vê no vidro? Ou será ele também a sequência de personagens-Eu que ocupam o lugar do reflexo, do outro lado do espelho?

Em O Espelho fica evidente a maturidade da atriz e performer Simone Reis. Como nos trabalhos anteriores, ela transita sem percalços entre o cult e o trash, o clássico e o popular, o sublime e o grotesco, o apolíneo e o dionisíaco, o Butoh e o teatro rebolado, o racional e a loucura, a superfície e a profundeza, a fotografia, a pintura e o vídeo, a Academia e o centro espírita.

Termos contrastantes sempre caracterizaram o trabalho de Simone Reis. Porém, ao compartilhar a direção com Iain Mott neste trabalho, combinam-se o arrebatamento e a fleuma, com resultado surpreendente. As contradições aparentes são suavizadas, recobertas por uma camada delicada de poesia, quase luz, quase aura.

Simone Reis atua desde o fim da década de 1980. Com Zé Celso e Zé do Caixão. De Melbourne, na Austrália, a Uberaba, em Minas Gerais, sem contar o Japão. Interpretou (em momentos diferentes) a doce Ofélia e o atormentado Hamlet. Encenou de Clarice Lispector a Edith Piaf, passando por Maria Bethânia e Raul Seixas. Participou da Companhia de Danças Atípicas, com os artistas Felícia Johansson, Eliana Carneiro e José Eduardo Garcia de Moraes. Et cetera.

O australiano Iain Mott, estuda música computadorizada, novas mídias de arte e desenho fonográfico. Além de criar instalações interativas de mídia computadorizada. Seus trabalhos foram apresentados nos quatro cantos do mundo: em Melbourne, na Austrália; na China; na Áustria; em Barcelona; em São Paulo; em Eindhoven, na Holanda; e agora, em Brasília.

O conto "O Espelho", de Machado de Assis, é o ponto de partida para a instalação concebida por Simone Reis e Iain Mott. Trata-se de uma estória dentro da estória. Cinco senhores cinquentões jogam conversa fora. Ou, melhor, especulam sobre a consistência da alma. Segundo Jacobina, cada ser humano possui não uma, mas duas almas: uma que olha de dentro para fora e outra que olha de fora para dentro.

Vale a pena recontar:

Aos 25 anos Jacobina fez-se alferes da Guarda Nacional. O respeito, o reconhecimento, a distinção e a bajulação com os quais a assunção do posto o distinguiu diante das pessoas fizeram com que ele passasse a se ver e reconhecer apenas como tal. O título de senhor alferes subiu-lhe tão completamente à cabeça que a alma exterior (a que olha de fora para dentro) ocupou o lugar da alma interior (a que olha de dentro para fora). A ponto de lhe borrar o ser-reflexo no vidro do espelho.

Diante do espelho o espectador vê o contorno. A ser preenchido pelos Eus dele e por uma infinidade de Outros, os personagens-Eu que surgem, sem que ele os possa controlar. Eles misturam-se. O espectador defronta-se com a impossibilidade de distinguir. E se embaça ao considerar sobre o espelho.

Pode-se chamar a instalação de espetáculo? Espetáculo também é da família de espelho.

(Espetáculo no sentido de Farsa, Teatro, Encenação. Ver e ver-se - e quem sabe, refletir-se por meio de símbolos, códigos, imagens, sons, palavras, disfarces articulados, no ator, performer, encenador - o Outro).

O Espelho é um espetáculo de cepa circense. Pois apesar da tecnologia sofisticada (audio spotlights, subwoofers, softwares, projeções stereo e mono de sons e imagens), Iain Mott faz surgir os personagens-Eu criados por Simone Reis por meio do jogo de vidros/espelhos chamado pepper-ghost, utilizado no teatro inglês do século XIX e nas apresentações da mulher-gorila dos circos e dos parques de diversão.

Também burlesco. No sentido de provocarem riso, suspense e tensão ao se apresentarem como projeções incômodas e às vezes grotescas do espectador que permanece sozinho, refletido na sequência de personagens-Eu intocáveis do outro lado do espelho.

(O burlesco e circense foram captados e reproduzidos com maestria na cenografia de Nelson Maravalhas).

Por falar em mulher-gorila...

Monga é uma imagem arquetípica. Representa o Eu-primitivo, animalesco de cada um de nós, espectadores. Monga habita não o ambiente das instituições culturais, teatros, museus, galerias de arte contemporânea - mas o grotesco, sórdido, decadente espaço dos circos de beira-de-estrada, dos trailers-feiras de aberrações, dos parques de diversão que percorrem os subúrbios e as cidades do interior.

Seriam os personagens-Eu de Simone Reis desdobramentos polidos, adestrados, educados, adequados, sobrepostos e humanizados da Monga que habita o espectador? O vidro-jaula que separa o espectador do monstro há de conter a fúria de Monga, caso falhe algum comando na casa das máquinas que funciona nos fundos da instalação?

Ao adentrar a instalação, o espectador não deve cometer o mesmo erro da estouvada Alice em Through the Looking Glass. A garota tentava não somente compreender a i-lógica, mas impor as suas próprias razões ao aparente disparate que prevalece do outro lado do espelho.

Da mesma forma que rainhas, sufis, santas, divindades afro-brasileiras, cangurus salteadores, suicidas - e tantos outros personagens-Eu podem não ser apenas aquilo que aparentam, a lógica de O Espelho pode estar disposta em camadas e mais camadas de i-lógica.

Só falta a madrasta Branca de Neve. Todos os dias a rainha vaidosa indagava ao Espelho (que jamais mentia): "existe alguém mais bonita do que eu?"

Na instalação, como não podia deixar de ser, ocorre o inverso: os personagens-Eu questionam a vaidade, os valores, os medos, os rompantes, a sanidade mental do espectador. E insistem nas perguntas: "você acha que eu sou louca?" "Você me acha bonita?"

(O espectador é múltiplo. Diante do espelho ele passa a ser múltiplo, o Outro. O espectador será qualquer coisa que deseje enquanto permaneça na instalação-caixa-quarto-aquário).

A instalação O Espelho é puro teatrinho. Brincadeira de criança, jogo que Simone Reis e Iain Mott convidam o espectador a participar. O espectador não é mais um dos cinquentões do conto de Machado, considerando sobre a configuração da alma. É criança a transformar a realidade palpável: usa a coroa de cartolina e papel laminado da rainha, da santa; fuma o charuto-de-alface do magnata; veste o cobertor velho virado em manto sagrado; percute as castanholas-chocalho de bebê; disfarça-se os óculos com nariz e bigode postiço; aplica no rosto a lanterninha made in taiwan e pétalas de rosa de plástico à guisa de produtos de beleza; atira com revólveres de espoleta e provoca suicídios, assassinatos, golpes de estado, revoluções.

A título de conclusão, o espectador pode recorrer ao sufismo e ao Tao: o espelho é o atributo da rainha. O homem se utiliza do homem como espelho.

PS: Enquanto Oxum ressona, Zé Celso (o bruxo-ator-diretor do Uzyna Uzona) elogia Simone Reis colocando-a no patamar das cômicas-zen Regina Casé e Dercy Gonçalves: O espectador-eu ampliaria a lista. Com os nomes das eternas juradas da tevê brasileira, referenciais estéticos e antifilosóficos com quem Simone Reis certamente aprendeu, diante de outra tela/espelho: Elke Maravilha; Aracy de Almeida; Wilza Karla; Márcia de Windsor; Maria Alcina. Cada uma segurando um lírio branco (ou uma rosa vermelha ou amarela, de plástico) distribuída pelo rabugento Pedro de Lara.

* Gladstone Machado de Menezes nasceu em Brasília, em 1962. É escritor e artista visual. Publicou o livro Estado de Coma, de poesia e desenhos, em 1979. Em 2005, o romance Rapunzel. Em 2010, os contos Histórias Desagradáveis. Em 2012, o livro Kwe, Luzes do Arco-íris, uma pesquisa sobre candomblé. Cursou licenciatura em Artes Cênicas e especialização em Artes e Novas Tecnologias, na Universidade de Brasília. Realizou exposições coletivas e individuais e participou de salões de arte no Brasil, a partir 1993. Criou cenários para espetáculos de dança em Portugal.

Page 1 of 4

The Telephonist

Latest Articles & News

  • Botanica: navigable, immersive sound art
  • Three-dimensional sound design with Mosca
  • The Telephonist
    The Telephonist The Telephonist (A Telefonista) is a theatrical and sound installation involving performance by Simone Reis and sound and new media art by Iain Mott. The work incorporates a modified antique…
  • New Mosca release coming soon
    A new version of the software Mosca will shortly be released, implementing work by Thibaud Keller. The release will bring support for new ambisonic libraries as well as VBAP, OSC…
  • O Espelho (The Mirror)
    O Espelho (The Mirror) is a theatrical sound installation inspired in part by the story of the same name by 19th century Brazilian writer Machado de Assis. It is by…
  • A New Method for Interactive Sound Spatialisation
    * Published in Proceedings of the 1996 International Computer Music Conference.Iain MottConservatorium of MusicUniversity of This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it. SosninSchool of Arts and MediaLa Trobe This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.This paper describes a new interface for interactive…
  • The Talking Chair: Notes on a sound sculpture
     (Iain Mott, Leonardo 28:1, MIT Press, 1995)The Talking Chair is an interactive listening environment created in collaboration by designer Marc Raszewski and myself, a composer. Integrating sculpture, electronics and industrial…